segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Comendadoria de Póvoa e Meadas "Nossa Senhora da Graça"


Armas da Comendadoria
de Póvoa e Meadas "Nossa Senhora da Graça)

Escudo esquartelado: I e IV - campo de prata com a Cruz da Ordem, de vermelho; II e III - campo de verde, feixe de três raios de ouro; em chefe, coroa mariana de ouro, entre dois ramos de oliveira de prata, frutados de ouro e postos em pala. Elmo de ouro forrado de negro; paquifes de prata forrado de vermelho; ; coronel de ouro com florões em cruzes páteas; timbre cruz pátea de vermelho, da Ordem; Suportes: duas espadas de prata guarnecidas de ouro; listel em ponta com os caracteres "PÓVOA e MEADAS"; listel de grito de guerra com os caracteres "NOSSA SENHORA DA GRAÇA".

Estandarte da Comendadoriaesquartelado: I e IV - campo de prata com a Cruz da Ordem, de vermelho; II e III - campo de verde, feixe de três raios de ouro; em chefe, coroa mariana de ouro, entre dois ramos de oliveira de prata, frutados de ouro e postos em pala.

Selo da Comendadoria


Apontamento histórico: “O foral novo, dado por D. Manuel em 1511 à Póvoa, vem, de certo modo, corrigir alguns abusos dos senhorios. É também neste foral que se estabelece de forma definitiva a junção das Meadas à Póvoa, pois nele se lê. «...este foral dado à nossa villa de Póvoa e Meadas....», culminando, assim, um longo processo de progressivo esvaziamento das Meadas e, como consequência, a sua gradual dependência face à Póvoa.

A designação Póvoa e Meadas aparece, pois, pela primeira vez, em 1511 e voltaremos a encontra-la em 1549 na Bula «Pro excellenti apostolicae sedis», pela qual o Papa Paulo III cria, em 21 de Agosto a diocese de Portalegre.....” (in “Póvoa e Meadas – Um olhar sobre a sua história" de Jorge Rosa).

“Cremos, pois, que a Póvoa terá sido fundada pelos Templários em redor da dita igreja do Mártir Santo, (actual Igreja da Misericórdia) entre, pelo menos 1278 e 1372 data da sua doação, juntamente com as Meadas, a Álvaro Mendes de Cáceres, fidalgo castelhano, que veio para Portugal ao serviço do nosso rei D. Fernando.”


Armas Simples


segunda-feira, 31 de julho de 2017

Cavaleiro Paulo Carvalho Guerreiro Raimundo


Foi registado no Arquivo Heráldico da Ordem do Templo (OSMTH) o requerimento para as Armas Templárias do Exmº Senhor Cavaleiro Templário, Paulo de Carvalho Guerreiro Raimundo. Cavaleiro na Comendadoria Conde Dom Henrique, do Bailiado do Distrito de Lisboa, Grão Priorado de Portugal, sob a Regência do Grão-Mestre, S.A.E. Dom Fernando Pinto Campello de Sousa Fontes, e que têm a seguinte descrição heráldica: Esquartelado: I e IV – GUERREIRO campo de vermelho, carregado com um leão de ouro rompante sustendo uma espada de prata guarnecida de ouro; II e III – CARVALHO, campo de azul, caderna de crescentes de prata com estrela de ouro de oito raios em abismo; elmo de prata de frente gradeado e forrado de vermelho; paquifes de prata forrados de vermelho, coronel de cavaleiro templário de prata; timbre de Guerreiro, um braço armado de prata brandindo uma espada de prata guarnecida de ouro; pendente: fita de negro e Cruz da Ordem do Templo. Em Lagoa, no Algarve, ao trigésimo primeiro dia do mês de Julho do ano da Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo de dois mil e dezassete, pelo Rei-de-Armas da Ordem do Templo, Miguel Ângelo Bôto, Grande-Oficial e Comendador de Lagoa, que assina. Non nobis Domine non nobis, sed Nomini Tuo da Gloriam.

 armas civis

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Comendadoria de Ovar São Francisco de Assis


Brasão de Armas da Comendadoria de Ovar
São Francisco de Assis

Esquartelado: I e IV – Armas da Ordem do Templo; em campo de prata uma cruz dupla de vermelho; II e III – Campo de azul, monge de prata segurando um crucifixo de ouro nas duas mãos sobre o peito, acantonado de quatro escudetes de prata carregados com cinco gotas de sangue (Chagas de Cristo), flanqueado por seis pássaros esvoaçantes de prata, dois deles sobre os ombros, todos em cortesia; timbre: coronel templário de ouro de onde sai a Cruz pátea primitiva da Ordem do Templo; paquifes de prata forrados de vermelho; suportes: duas espadas de prata em guarda guarnecidas de ouro; Estandarte Heráldico: as armas atrás descritas dispostas num quadrado; passadeiras de prata, cordões, borlas e franjas de prata e de vermelho; haste, travessão e ponta de lança e restantes acessórios de ouro.




Maria de Fátima de Costa Veiga Rodrigues Mieiro


Lisonja da Grande-Oficial e Comendadora de Ovar
Maria de Fátima de Costa Veiga Rodrigues Mieiro

Partida: I - Esquartelado: I e IV – Rodrigues (esmaltes invertidos): de vermelho, com cinco flores-de-lis de ouro, postas em sautor, e um chefe do segundo esmalte carregado com uma cruz páteada de vermelho; II e III - Ferreira: vermelho com quatro faixas de ouro; sobre-o-todo um escudete de prata com a cruz dos antigos Templários Portugueses; II - Veiga: de vermelho, com uma águia aberta de ouro; Coronel templário (comendador); Laço de vermelho (Grande-Oficial) perfilado de prata, pendente com troféu e cruz da Ordem.


Luiz Augusto Ferreira Rodrigues Mieiro

Armas do Comendador e Grande-Oficial
da Ordem Soberana e Militar da Ordem do Templo
(Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolymitani)

Luiz Augusto Ferreira Rodrigues Mieiro

Esquartelado: I e IV – Rodrigues (esmaltes invertidos): de vermelho, com cinco flores-de-lis de ouro, postas em sautor, e um chefe do segundo esmalte carregado com uma cruz páteada de vermelho; II e III - Ferreira: vermelho com quatro faixas de ouro; sobre-o-todo um escudete de prata com a cruz dos antigos Templários Portugueses; Elmo de prata, de frente, gradeado de ouro e forrado de azul, virol e paquifes de prata e vermelho; Timbre: coronel templário (comendador) serpente de ouro atacante, lampassada e animada de vermelho, ferida por um punhal de prata, armado de ouro. Pendente de vermelho (Comendador) com a cruz dupla da Ordem do Templo.



Armas Civis do Comendador e Grande-Oficial
da Ordem Soberana e Militar da Ordem do Templo
(Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolymitani)

Luiz Augusto Ferreira Rodrigues Mieiro

Esquartelado: I e IV – Rodrigues (esmaltes invertidos): de vermelho, com cinco flores-de-lis de ouro, postas em sautor, e um chefe do segundo esmalte carregado com uma cruz páteada de vermelho; II e III - Ferreira: vermelho com quatro faixas de ouro; sobre-o-todo um escudete de prata com a cruz dos antigos Templários Portugueses; Elmo de prata, de frente, gradeado de ouro e forrado de azul, virol e paquifes de ouro e vermelho; Timbre: serpente de ouro atacante, lampassada e animada de vermelho, ferida por um punhal de prata, armado de ouro. Pendente de vermelho (Comendador) com a cruz dupla da Ordem do Templo.